quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

O fascínio da beleza

A beleza têm vários tons, aqui nesta página, alguns de tantos outros belíssimos...


Se um homem não descobriu nada pelo qual morreria, não está pronto para viver.
Martin Luther King


Óh beleza! Onde está tua verdade?
William Shakespeare


O futuro pertence àqueles que acreditam na beleza de seus sonhos.
Elleanor Roosevelt


A beleza das coisas existe no espírito de quem as contempla.
David Hume


Quem possui a faculdade de ver a beleza, não envelhece.
Franz Kafka


A beleza é a melhor carta de recomendação.
Aristóteles


A beleza é dom de Deus.
Aristóteles


A beleza de um corpo nu só a sentem as raças vestidas. O pudor vale sobretudo para a sensibilidade como o obstáculo para a energia.
Fernando Pessoa


A beleza salvará o mundo.
Fiodor Dostoyevski


A beleza é o acordo entre o conteúdo e a forma.
Henrik Ibsen


A beleza do espírito, causa admiração; a da alma, estima; e a do corpo, amor.
Bernard Fontenelle


A matemática, vista corretamente, possui não apenas verdade, mas também suprema beleza - uma beleza fria e austera, como a da escultura.
Bertrand Russell


Exuberância é beleza.
William Blake


A beleza é uma contradição velada.
Jean-Paul Sartre


A beleza é uma carta de recomendação a curto prazo.
Ninon de Lenclos


Melhor do que ter uma grande beleza, é ter um grande coração.
Leonardo da Vinci



O poder da beleza transforma a honestidade em meretriz
mais depressa do que a força da honestidade faz a beleza se assemelhar a ela.
William Shakespeare



Meus olhos viraram pintores, e com isso esboçaram a beleza de tuas formas nas telas do meu coração
William Shakespeare


Quem experimenta a beleza está em comunhão com o sagrado.
Rubem Alves

domingo, 24 de fevereiro de 2013

A SELEÇÃO NATURAL E A SELEÇÃO ARTIFICIAL

O INÍCIO DO DARWINISMO

     Em 1831 Darwin iniciou sua famosa viagem a bordo do navio inglês HMS Beagle em direção à América do Sul, com duração de 5 anos, de onde também passou pela Nova Zelândia e Austrália, sendo que esteve no Brasil por duas vezes. Com toda a diversidade verificada, notou muitos exemplos de variações de uma mesma espécie, principalmente na fauna, inclusive o melhor exemplo disto, foi sua passagem pelas ilhas Galápagos, no oceano Pacífico, onde observou na ave tentilhão e suas variantes, possibilidades para todas as adaptações, para todos os modos de vida, e que esses tentilhões das Galápagos deram origem a 13 espécies diferentes, que comem alimentos distintos, e que possuem bicos diferentes para cada dieta própria. Desde o bico enorme do comedor de grãos até o bico pontudo do comedor de insetos, sendo que existe entre eles a série completa de bicos possíveis entre os passeriformes. Uma dessas espécies utiliza um espinho de cacto para desalojar insetos nas cascas das árvores.
     Começava a ser traçada, a teoria da evolução por seleção natural das espécies. Darwin concluiu que nem todos os organismos que nascem sobrevivem, e mais importante ainda - sendo assim não reproduzem-se. Mas os indivíduos com mais oportunidades de sobrevivência e de enfrentar as condições ambientais, teriam maior chance de se reproduzir e deixar descendentes, transmitindo assim essas melhores características. Nessas condições, as características favoráveis tenderiam a ser preservadas e as desfavoráveis, destruídas. Darwin afirmou: "Essa preservação de variações favoráveis e rejeição de variações prejudiciais eu chamo de seleção natural".  


     Em 1858, Darwin recebeu um pequeno manuscrito do cientista inglês Alfred Russel Wallace (1823-1913), intitulado: "A tendência das variedades de se afastarem indefinidamente do tipo original". Para sua surpresa, Wallace tinha chegado às mesmas conclusões que ele. Darwin já suspeitara que o mecanismo da evolução poderia ter alguma semelhança com a seleção artificial, processo em que o homem seleciona para reprodução, espécies com características desejáveis desprezando as demais. Assim surgiram todas as raças de cães, carneiros, porcos, vacas, cavalos, as variedades de milho, arroz, feijão, frutas diversas e mais outros  inúmeros vegetais.   

    Muito antes de Darwin e Wallace, fazendeiros e agricultores estavam usando a ideia de seleção para causar mudanças nas características de suas plantas e animais ao longo de décadas. Fazendeiros e agricultores permitiram a reprodução apenas de plantas e animais com características desejáveis, causando uma certa "evolução" de seus estoques, porém, uma evolução dirigida pelo ser humano, e não naturalmente. Esse processo é chamado de seleção artificial porque são as pessoas (ao invés da natureza) que selecionam quais organismos vão se reproduzir.
    Como vemos abaixo, fazendeiros têm cultivado numerosas variedades de culturas a partir da mostarda silvestre, selecionando artificialmente certos atributos.

 VEGETAIS COMUNS CULTIVADOS A PARTIR DA MOSTARDA SILVESTRE. EXEMPLO DE PROCESSO DE EVOLUÇÃO ATRAVÉS DE SELEÇÃO ARTIFICIAL 

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------


GATOS DOMÉSTICOS E SELVAGENS








-----------------------------------------------------------------------------------------------------------
LOBO SILVESTRE E CÃES DOMÉSTICOS







----------------------------------------------------------------------------------------------------
  
ILUSTRAÇÕES - DARWIN - PRIMEIRAS OBSERVAÇÕES


 

 
 

 


domingo, 10 de fevereiro de 2013

O INFERNO SÃO OS OUTROS


     As pessoas podem ser o céu ou o inferno. O mundo dando suas voltas e as pessoas dando voltas com suas línguas. Todos nós nos assustaremos com coisas que as pessoas falarão e farão longe de nós, ou até por perto, ou ainda na nossa frente, então nos conformemos porque é ácida e áspera a realidade, pode ferir, ou pode assustar!
     As pessoas quase não pensam antes de falar ou agir, principalmente antes de usar o nome alheio para prejudicar outrem, para causar ciúmes comprometendo o pouco que ainda sobrava, para se sair bem , mentindo e deixando quem agiu com honestidade como culpado, etc. Pessoas, pessoas, gente... nunca confie e espere tudo. Mas ainda acho mais grave a mentira que deixa o honesto comprometido, pior ainda quando em forma de conluio. O trapaceiro faz me lembrar uma hiena que tirou a caça do leopardo e a levou ao seu ninho se apoderando do mérito perante a comunidade. 
     E o ciúme? Este é um sentimento destruidor, sempre tente esconder se o sente, pois o outro sempre sairá muito incomodado, e dificilmente voltará a ser como antes. O ciúme é como um Sarcoptes scabiei em sua pele. O ciúme do amor fere, e o ciúme das amizades que se unem e lhe esquecem revelam  que não eram necessárias para você, de vez em quando somos apenas instrumentos. E o orgulho? É tão incômodo seu excesso, que enjoa, sempre tenha cautela ao expô-lo. E o saber? Até que ponto você tem conhecimento? Conhecimento todos nós sempre estaremos acumulando, até o momento do último suspiro, mas o orgulho sempre devemos estar trabalhando para combatê-lo. E sobre a intolerância? Quando a intolerância sai de seu ninho, os males do mundo começam brotar. São tantos cérebros, tantas vivências, tantas visões, tantas conexões, tantos sentimentos, tantas condições corpóreas, tantas culturas marcadas como ferro quente no gado, que o melhor a se fazer é pensar duas vezes antes de proferir uma concepção, a não ser que seja muito óbvio o erro do objeto da intolerância. Tudo é ocasional e relativo, nunca tenha certeza absoluta de nada, o mundo está em constante mutação. Só sei disso, o resto, nunca saberei quando poderei saber, talvez no pós morte, se existir. As concepções mudam, assim como nossas células envelhecem e mudam ou mutam. Outra reflexão importante: conseguir dizer "não", isso evita muitos problemas, tente, você conseguirá.

     Correto estava Sartre: a existência precede e governa a essência. O inferno são os outros. Essa frase diz muito sobre a natureza humana. Desde os mais remotos tempos o homem foi condicionado a transferir as obrigações aos outros. No começo transferia a responsabilidade para a natureza, depois para Deus, para o senhor feudal, para o Estado, empresa, enfim cada momento para alguém e nunca para si mesmo. A própria filosofia de Sartre era baseada na responsabilidade sobre seus atos para se conseguir liberdade. E agora? A culpa é do universo ou sua? 
O que somos é o que fizemos do que fizeram de nós.